sexta-feira, 3 de janeiro de 2014

Será que sinto falta....

Um dia, a gente olha em volta e se dá conta dos ciclos da vida.
Quando os anos se tornam dias, quando os dias se tornam probabilidades, quando as festas de cada ciclo se concretizam e sem elas se tornariam impossíveis distinguir os anos...

Quando você deixa de contar os anos e começa a contar a pessoas que fez feliz...

Quando percebemos que a memória da maioria é apagada e sua miséria foi provocada pelos excessos e exageros mal planejados.

Quando percebemos que temos o controle e ficamos gratos que isto aconteceu cedo... e não no fim da vida.

Quando sabemos que temos saúde e realmente queremos aproveitar...


Quando lembramos da liberdade, da escolha, do amor que se torna fraterno, quando cada um e cada qual em cada vírgula, quando ajudamos uma irmão a esperar, a confiar. Quando levamo confiança para o mundo quando levamos amor.

Quando distribuímos conhecimento, quando livros viajam...

Quando um simples livro, percorre 3 continentes... quando sai de Pune India-Brazil e vai para França... quando aqueles que o lêem trocam idéias, e quando isto é levado para todos.

Quando Osho, se dá lugar a Michel Foucault.

Quando o intelectuo se torna parte do ser e não o todo, quando a alma aflora, quando a razão se emocia, quando o espírito apazigua e quando se tornamos gratos.

Quando o mestre é oculto, quando o ego vai embora, quando o mostro deixa, quando a humildade não se orgulha, quando  o simples nos ensina.

Quando a obra é feita.

sera que sinto falta?

Daquele ego que consumia? Daquela natureza do provar, para quê? Se apenas sou..

sou? multicultural? que realmente gosto de ouvir? que realmente gosto de pensar?

sera que sinto falta de provar algo a alguém.. vc precisa saber? eu não preciso contar...

São tantos os caminhos, são tantos os mistérios...

Aquilo que é livre... Open Source, open mind.. não ideologia, não dogma...

Deixo de sentir amar apenas a mim mesmo e passo a amar todo a humanidade, pela felicidade simples e pena daquela medíocre mente... social, criada pelo meio. tão local... tão pitoresta.. que não durou muito.. e não cultivei...

será que sou local? ou cidadão do mundo?

nada disso.. nem um símbolo e nem produto da mídia...

sou humano, sinto frio, sinto calor.

sinto falta... não não sinto pena...

sinto muito por vc que sente.

sinto o dialéxico, a  falta de vocabulário, a falta de visão daqueles que tentaram nos educar.


é assim, sinto pena não lembrar de você, mas para que?

Pobre cidadão que só pensava na carreira e no seu mundinho.

Será que o mundo sente falta de você ou o dinheiro que você movimentava?





Postar um comentário