terça-feira, 4 de março de 2014

Biblioteca Pública do Paraná

3 dias e molho em casa, e escolhi o carnaval para me recuperar de uma exodontia.

Contrariando as recomendações médicas eu sai fui levar meu filho a escola, e no intervalo entre a entrada e saída eu dei uma passada na biblioteca Pública do Paraná....


Estava lá, do jeito que deixei a 10 anos, um pouco mais polida eu confesso, mas com todo o seu mistério.

Eram dezenas, centenas de livros, conhecimentos mortos... Impossível não encontrar algo e não se entreter.

Rapidamente coloquei meu celular para despertar as 17, se não poderia correr o risco de esquecer de buscar meu filho na escola, e fui lá refazer minha carteirinha de empréstimo...

Assim foi, carteirinha pronta, paguei uma taxa de $ 2,50 e me sentei no dito cujo sistema de localização pergamum e comecei a montar uma lista no Ipad dos livros que iria depois procurar.

Fui atrás dos conhecimentos que mais estou procurando no momento, e me surpreendi com a quantidade de informação, relíquias de 1950, 1964....

O tempo estava passando, mais agradável, minha mente estava absorta dentro de um espaço contínuo sem distrações, sem internet, sem facebook.

Até que uma jovem me interrompeu e perguntou se eu tinha caneta... sim ela tinha um celular na mão e estava tentandomarcar o código do livro em um papelzinho...

Eu respondi, oras, "Você tem celular não tens? Por que não anota como se fosse mensagem de texto"...

Estava ali jovens com potenciais tecnológicos sem saber como usar,  hipnotizados, sem senso crítico, não sabendo interpretar e apenas procurando algo, algo que mandaram procurar, não estava como eu, procurando algo que eu não sabia o que era, mas devia procurar.

Onde esta escondida a curiosidade? O conhecimento que tanto lutamos, para preservar, disponível a tantas gerações?

Thrrriiiiiiiiiiiiiiimmmmmmmmmmmmmmmmm o despertador tocou...

Hora de ir embora, mas espere...

Eu posso ainda fazer algo... Deixar um presente, um tesouro para esta máquina do tempo...

Depositei minha humilde contribuição... Um livro que encontrei orfão na rua... que cuidei, reformei e presentei a biblioteca pública...

Não vou dizer qual é... Mas outros virão...

Acho que agora tenho um propósito melhor.

Compartilhar o conhecimento e recolher os orfãos.

Ok, já estou indo buscar meu filho...

Obrigado senhor, por me tirar da rotina e permitir que enxergasse as coisas mais belas.



Postar um comentário